Poderá haver um período experimental?

País
Achado: 32
PaísPoderá haver um período experimental?
Alemanha - trabalho
Algumas empresas poderão propor-lhe dia de trabalho à experiência, que não deve recusar.
Áustria - trabalho
Poderá ser-lhe solicitada a prestação de 1 dia de trabalho à experiência, mas este terá de lhe ser pago.
Bélgica - trabalho
Legalmente, o período experimental de 1 dia só é possível quando há a mediação de uma agência de trabalho temporário (o que significa que esse dia será pago ao candidato). Testes práticos efetuados no local de trabalho são admissíveis, mas apenas durante o tempo necessário para se verificarem as competências do candidato.
Bulgaria - trabalho
Só no âmbito do estágio (ver abaixo).
Chipre - trabalho
Pode ser negociado um período experimental entre as duas partes, mas a legislação e asconvenções coletivas não contêm quais-quer disposições nesse sentido.
Croácia - trabalho
A lei não permite que se exija aos candidatos 1 dia de trabalho à experiência.
Dinamarca - trabalho
Não é habitual, salvo no caso de um pequeno número de profissões, mas o candidato pode recusar.
Eslováquia - trabalho
Poderá ser pedido ao candidato que preste 1 dia de trabalho à experiência. Por não se tratar de uma prática legal, o candidato pode recusar, mas isso pode ser razão para o empregador não o selecionar, por considerar ser uma demonstração de falta de vontade de cooperar.
Eslovénia - trabalho
Sim, os candidatos podem ser solicitados a prestar um período de trabalho experimental.
Espanha - trabalho
Os períodos experimentais para os trabalhadores são os estabelecidos nos diversos tipos de contratos de trabalho.
Estónia - trabalho
Não, essa prática não é comum.
Finlândia - trabalho
É comum haver um período experimental, mas não em todos os cargos.
França - trabalho
É frequente aplicarem-se testes no âmbito do processo de recrutamento, mas os períodos de trabalho à experiência não são muito utilizados. Se lhe pedirem que complete um período experimental antes de assinar o contrato, ele deverá ser muito curto e não pode servir para executar trabalhos para o empregador.
Grécia - trabalho
Se o empregador exigir um período de trabalho experimental, o candidato não é obrigado a aceitá-lo.
Hungria - trabalho
Sim, quase sem exceção.
Irlanda - trabalho
Poderá ser-lhe pedido que faça um período de trabalho experimental de 3 a 6 meses.
Islândia - trabalho
Os períodos experimentais não são, habitualmente, necessários porque é muito fácil contratar e despedir pessoas na Islândia e, no início da prestação de trabalho, o período de préaviso é muito curto. Os trabalhadores têm de ser remunerados por todos os dias de trabalho.
Itália - trabalho
O empregador pode exigir a prestação de 1 dia de trabalho à experiência ou fixar um período de estágio, que o candidato pode recusar se for de duração superior à legal mente prevista (que depende da convenção coletiva de trabalho específica).
Letónia - trabalho
Não, não existem períodos de trabalho experimentais na Letónia.
Listenstaine - trabalho
A prestação de 1 dia de trabalho à experiência não é uma prática comum, mas, em determinadas situações, poderá ser útil. O candidato pode recusar, embora essa experiência talvez lhe seja proveitosa para tomar contacto com a realidade do posto de trabalho a que se candidatou.
Lituânia - trabalho
Sim, os períodos experimentais são bastante comuns na Lituânia e constam do contrato.
Luxemburgo - trabalho
Sim, em regra há um período experimental de 3 meses para os trabalhadores não qualificados e de 6 meses para os qualificados.
Malta - trabalho
Não, não é exigido um período de trabalho experimental porque essa exigência é contrária à legislação em vigor, o que significa que, se ela lhe for feita, o candidato pode recusar.
Noruega - trabalho
Não, a prestação de 1 dia de trabalho à experiência não é habitual.
Países Baixos - trabalho
Sim, é provável que haja.
Polónia - trabalho
Os empregadores preferem propor um período de estágio de 1 a 3 meses a solicitar a prestação de 1 dia de trabalho à experiência.
Portugal - trabalho
Essa prática está a generalizar-se, mas alguns empregadores preferem utilizar os contratos a curto prazo (por exemplo, 3 a 6 meses) para pôr o trabalhador à prova.
Reino Unido - trabalho
O trabalho à experiência não é uma prática comum, sendo mais provável que o funcionário trabalhe durante um período experimental, após o qual o salário atingirá o seu valor total.
República Checa - trabalho
Os períodos experimentais não são legais. Os trabalhadores devem ter um contrato e ser remunerados por todo e qualquer trabalho que executem.
Roménia - trabalho
O Código de Trabalho romeno prevê a possibilidade de estabelecer um período experimental que pode durar, no máximo, 90 dias para os lugares de menor responsabilidade, e 120 dias para os cargos de direção.
Suécia - trabalho
Poderá ser solicitado ao candidato que trabalhe 1 dia à experiência, mas este tem direito a ser pago por isso.
Suíça - trabalho
Nos empregos pouco qualificados, é frequente o recurso a períodos experimentais. Especialmente no caso dos empregos nos setores hoteleiro e da limpeza, é muito vulgar a prestação de 1 dia de trabalho à experiência, que tem de ser pago. O candidato só pode recusar se o empregador lhe propuser um período experimental não remunerado. As avaliações por vezes demoram 1 ou 2 dias, mas estes não são remunerados.
RSS desta lista

© União Europeia

Study in Poland
Privacy Policy